<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://draft.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37878389\x26blogName\x3dElevador+da+Bica\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/\x26vt\x3d8544793576954813379', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
elevador da bica

Um incómodo chamado BPP

Escutei, com muito interesse, Nuno Artur Silva pronunciar-se, hoje, na TSF, sobre a campanha de publicidade que o BPP manteve durante anos na revista do "Expresso" e em que participaram muitas figuras públicas do país, incluindo algumas que criticam a "economia de casino" e a "especulação financeira" em que, certamente, incluiriam entidades como aquele banco entretanto falido.

Não vejo qualquer mal em que uma pessoa como Manuel Alegre, Nuno Artur Silva ou outra, escreva um texto sobre a sua relação com o dinheiro para ser inserida num espaço de publicidade a uma instituição financeira ou outra qualquer. Não é por este facto que passam a ser responsáveis por actos de má gestão ou de legalidade duvidosa praticados pela entidade em causa.

O que já acho estranho é assistir a tentativas de disfarçar o indisfarçável. Isto é, escutar alguém a comparar o espaço publicitário em causa com o patrocínio de uma marca a um espaço editorial. São realidades diferentes, como é óbvio, a não ser que se queira lançar poeira nos olhos da opinião pública.

Uma situação é a de uma marca se disponibilizar para patrocinar uma rubrica ou uma secção de um jornal ou um programa de rádio ou tv. Outra, bem distinta, é a situação em que uma marca convida alguém a escrever um texto para figurar numa inserção publicitária a publicar num jornal, como foi o caso do BPP.

O que fica mal não é Nuno Artur Silva ter escrito para um espaço de promoção do BPP, mas tentar agora vender a tese de que as duas páginas de publicidade ao banco que surgiam na "Única" eram outra coisa qualquer. De resto, a campanha era bastante feliz porque muitos dos textos que nela figuraram eram de grande qualidade. Mas lá que se tratava de um espaço publicitário e não de um espaço editorial com um patrocinador, não restam quaisquer dúvidas.

Etiquetas: , , ,

“Um incómodo chamado BPP”

  1. Blogger Bruno Faria Lopes disse:

    Não percebo por que razão o Nuno Artur Silva e demais visados não respondem que nessa altura poucos ou nenhuns desconfiavam da gestão do BPP. Se o governador Constâncio, agora no Olimpo de Frankfurt, não deu por nada, porque raio haveria de dar o Nuno Artur Silva e afins?

    O ego é sempre o problema. É lixado termos de admitir que fomos enganados.

  2. Anonymous FPC disse:

    A 17 de Julho de 2009, escrevia:

    http://www.ionline.pt/conteudo/13732-deram-cara-pelo-bpp-e-nao-se-arrependem