<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://draft.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37878389\x26blogName\x3dElevador+da+Bica\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/\x26vt\x3d8544793576954813379', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
elevador da bica

O papel! Qual papel? O do Cavaco. Qual papel?

Foto do i

A boca cheia de bolo rei... Década e meia depois, pelo menos Cavaco Silva não finge. Cavaco não fala porque não quer falar e dá-se ao luxo de não falar só porque não quer, o que lhe fica pior do que falar de mandíbula atulhada de massa.

As notícias da Visão a semana passada e a de hoje, provam que os vizinhos de Cavaco e aqueles com que fez negócios tinham de nascer duas vezes para serem tão honestos quanto ele.

Podíamos falar da escritura pública da permuta da Gaivota Azul. O papel desapareceu. Mas o problema de base é o papel de Cavaco que não está em vias de desaparecer porque tudo indica que será reeleito. O Presidente acha-se acima dos outros. Acha que não tem de dar explicações sobre aspectos mal explicados da sua vida. Não fala porque não lhe convém, claro, em campanha. A um Presidente exige-se mais do que a um cidadão comum, ele deve clarificar todas estas questões para que não reste uma dúvida sobre os estranhos mistérios do seu património.

Caso contrário, caminha a passo acelerado para ser mais parecido com José Sócrates do que ele gostaria, e do que nós precisaríamos.

Etiquetas: ,

“O papel! Qual papel? O do Cavaco. Qual papel?”