<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37878389\x26blogName\x3dElevador+da+Bica\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/\x26vt\x3d8544793576954813379', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
elevador da bica

Muito bem, Amado

A entrevista de Luís Amado publicada na edição de hoje do "Expresso" permite tirar algumas conclusões.

1. O isolamento de José Sócrates é crescente, mesmo no interior do Governo, onde a táctica de crispação e confronto começa a apenas ter apoios junto do "petit comité" de "yes men" que rodeia o primeiro-ministro.

2. Em fase de acelerada degradação da credibilidade do Governo e do seu líder, é um ministro que mantém intacta uma imagem de seriedade e fiabilidade - o único que resta nestas condições - que vem a público assumir que o actual Governo não é solução para os tempos difíceis que se vivem e aqueles que ainda se seguirão. Isto significa que, entre aqueles que do lado do PS podem fazer parte de uma solução, existe a convicção de que o Governo tal como está faz parte do problema.

3. A lucidez de alguém que pensa pela sua própria cabeça, em contraste com o silêncio comprometido das hostes socialistas com a deterioração política e económica do país, revela como tudo poderia ser diferente, para melhor, se o perfil de quem lidera o Governo fosse o de um estadista e não o de um tacticista que coloca a manutenção do poder à frente de tudo o mais. Depois de se ler a entrevista, não ficam quaisquer dúvidas de que se Luís Amado fosse primeiro-ministro, há muito que PS, PSD e, porventura, CDS já teriam encontrado uma plataforma de entendimento para viabilizar uma solução de Governo credível que enfrentasse a grave situação actual.

Etiquetas: , ,

“Muito bem, Amado”