<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37878389\x26blogName\x3dElevador+da+Bica\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/\x26vt\x3d8544793576954813379', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
elevador da bica

O mercado à portuguesa, visto de longe

Mas claro que é possível fazer uma reflexão moral sobre uma certa disparidade salarial em Portugal – mais ainda, é possível fazer uma reflexão económica sobre a má qualidade do "mercado" português.

É possível argumentar que a liberalização que foi feita em Portugal prejudicou a economia, criando monopólios internos que vivem à custa da maioria das empresas exportadoras. É nesses campeões nacionais – os mesmos de que o Henrique fala nesta prosa –, subsidiados pelo mercado interno, que se pagam os salários mais altos em Portugal. São escolhas legítimas dos respectivos accionistas, negociadas em salas fechadas? Sim, claro. Mas não chamem a isto "economia de mercado", por favor.

E é possível argumentar que há qualquer coisa de errado num sistema que remunera a gestão de topo (a mesma que ganha prémios por gerir empresas sem concorrência) como se estivéssemos em Zurique e a maralha pelo padrão do Seixal (para já não falar disto). É legal? Sim, é. Diz alguma coisa sobre a mentalidade e cultura deste "mercado à portuguesa"? Também. E isto – como tudo o resto na vida, aliás – é criticável.

“O mercado à portuguesa, visto de longe”