<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37878389\x26blogName\x3dElevador+da+Bica\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/\x26vt\x3d8544793576954813379', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
elevador da bica

Freakpolitics - o que diz o lado improvável dos políticos (7)

A selecção nacional é um perigo político
Em 2004, o Governo caiu depois da vitória à Inglaterra. Em 2006, Freitas do Amaral demitiu-se na véspera do jogo com os ingleses



O sucesso de Portugal nos campeonatos de futebol esconde perigos imprevisíveis. Enquanto a nação anda com a cegueira da bola, os políticos têm a cortina de fumo perfeita para trabalharem na sombra.

O caso mais grave aconteceu no Euro 2004: Portugal ficou sem Governo entre a gloriosa eliminação da Inglaterra e as meias finais com a Holanda. Na véspera das meias-finais contra os Países-Baixos, Durão Barroso despediu-se de Portugal e pirou-se para Bruxelas. No dia da final com a Grécia, o primeiro-ministro mais provável chamava-se Pedro Santana Lopes. O que aconteceu a seguir é sabido.

O Mundial de 2006 na Alemanha, ofereceu a camuflagem perfeita para outra crise governamental. Na véspera do jogo dos quartos-de-final entre Portugal e a Inglaterra, Freitas do Amaral demitiu-se de ministro dos Negócios Estrangeiros. Dois dias antes das meias-finais com a França, Luís Amado tomou posse como MNE e Severiano Teixeira como ministro da Defesa . Do ponto de vista mediático a jogada é brilhante. Quando a selecção está a ganhar, alguém quer saber de ministros?

Em Espanha não é diferente: durante o Euro 2008, José Luís Zapatero anunciou um pacote de austeridade no mesmo dia em que a selecção nacional venceu a meia-final por 3-0 à Rússia.

Desta vez, Portugal foi politicamente salvo pela Espanha. Os políticos avaliam a agenda desportiva em função dos seus interesses: por exemplo, no dia em que a selecção jogou contra o Brasil, José Sócrates teve um debate quinzenal no Parlamento; mas Pedro Mota Soares, líder da bancada do CDS, chegou a sugerir uma data alternativa para o debate, que não coincidisse com o jogo, porque a agenda mediática estaria ocupada com a bola.

Vejamos assim o que aconteceu esta terça-feira, dia do jogo com Espanha: o Correio da Manhã tinha 18 páginas de futebol; o Diário de Notícias dedicava à bola um suplemento de 20; e o Público fazia um destaque de sete. As notícias políticas eram importantes, mas tinham um destaque relativo: o Governo queria isenções nas SCUTS, o PSD lançava a revisão do programa; e o Presidente pedia a verificação sucessiva da constitucionalidade do PEC.

Do ponto de vista político, temos de agradecer o golo de Villa. Da maneira que as coisas estão, sabe-se lá o que podia acontecer se Portugal seguisse em frente...


Crónica publicada no site da SÁBADO.

Etiquetas:

“Freakpolitics - o que diz o lado improvável dos políticos (7)”