<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37878389\x26blogName\x3dElevador+da+Bica\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/\x26vt\x3d8544793576954813379', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
elevador da bica

Freakpolitics - o que diz o lado improvável dos políticos (5)

O estrangeiro sem vergonha
Os problemas de Sócrates com as línguas estrangeiras revelam toda uma biografia do primeiro-ministro



Quando vemos o primeiro-ministro humilhar-se publicamente a tentar falar inglês ou espanhol, pensamos que José Sócrates não tem vocação para línguas estrangeiras. Pode até ser verdade que não tenha esse talento, mas esta inabilidade revela-nos mais. Diz-nos muito sobre a sua história de vida: um jovem preguiçoso, sem auto-exigência, que pouco pensou no futuro nem imaginou que chegaria onde está hoje.

Não era suposto que Sócrates fosse um Emil Krebs, um linguista alemão que falava 68 línguas (1867-1930), cujo cérebro foi estudado em 2003 por neurologistas do Centro de Pesquisa Jülich, na Renânia Vestfália. Os cientistas compararam o cérebro de Krebs com o de 11 indivíduos normais e concluíram que o linguista tinha a área de Broca – zona do cérebro associada à linguagem – mais desenvolvida. Do estudo, sobrou um mistério: Krebs já tinha uma área de Broca evoluída, ou desenvolveu-a com o esforço de musculação cerebral ao longo da vida?

Eva Fernandez, uma linguista norte-americana da Universidade de Nova Iorque, analisa o caso do brasileiro Carlos do Amaral Freire – o maior linguista vivo capaz de traduzir 60 línguas. Ela acha que o segredo está mais na transpiração que na vocação: os poliglotas “apenas têm de trabalhar mais arduamente do que nós”, diz Fernandez citada num artigo da Psychology Today. Stephen Krashen, professor emérito da UCLA e especialista no ensino línguas, também acredita que os poliglotas apenas trabalham mais.

Quando estava no lugar que hoje é de Sócrates, António Guterres deslumbrava plateias ao falar fluentemente francês, inglês e espanhol. Marcelo Rebelo de Sousa, à época líder do PSD, acrescentava-lhe o alemão. Têm a área de Broca desenvolvida? Talvez. Mas eles foram dos alunos brilhantes na sua geração, esforçaram-se por aprender, estudaram ao longo da vida, foram exigentes, ambicionaram chegar onde chegaram e até onde nunca conseguiram chegar. Sócrates é inteligente. Não é por falta de inteligência que não sabe línguas. Mas foi ele que escolheu fazer Inglês Técnico numa universidade duvidosa.

Os problemas de Sócrates com o inglês e o espanhol (até agora fomos poupados ao seu francês) são fruto de um percurso académico desequilibrado, de um jovem que acordou tarde para a necessidade de ter as competências certas. O seu exemplo podia ter inspirado as Novas Oportunidades.

Mas Sócrates tem uma qualidade em comum com os poliglotas: não tem vergonha de falar línguas em público. No entanto: sabe que fala mal, mas prefere passar uma vergonha tremenda a assumir a sua ignorância. Isso também diz muito sobre ele, do bom e do mau.

Crónica publicada no site da SÁBADO.

Etiquetas:

“Freakpolitics - o que diz o lado improvável dos políticos (5)”