<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37878389\x26blogName\x3dElevador+da+Bica\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/\x26vt\x3d8544793576954813379', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
elevador da bica

Mistérios da vida moderna

E se aquilo me pesasse na consciência? Ontem fui ao terminal 2 do aeroporto de Lisboa levar a família, que foi viajar. Junto à fila para o check-in, lá estava uma mala branca, no meio do átrio, aparentemente de ninguém. Fomos almoçar. Da mesa do snack, no primeiro andar, pude ver durante meia hora a mala esquecida no meio da praça do terminal e nada. Desci. Passou mais algum tempo e nada. A família, entretanto, embarcou. Ainda passei a porta para a rua, para me ir embora. Voltei. Aquilo certamente não era nada. Mas se fosse alguma coisa? Não era capaz de viver com isso. Não é obsessão. São os dias que vivemos. Aproximei-me de um balcão da TAP e avisei o senhor. Ficou muito espantado. Não será de ninguém da fila? Não, aquilo está ali há pelo menos uma hora. Noutros países, a sala seria evacuada imediatamente e a mala dinamitada. Não sei o que aconteceu depois. Mas espero que esta notícia de que dois presos de Guantánamo vêm mesmo para Portugal signifique que o País tem condições de segurança para lidar com um aumento do risco. Não foi a ideia com que fiquei com o amadorismo que vi ontem no aeroporto.

Etiquetas:

“Mistérios da vida moderna”