<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37878389\x26blogName\x3dElevador+da+Bica\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/\x26vt\x3d8544793576954813379', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
elevador da bica

O problema é o graveto

Hoje, no P2, com a edição do "Público", vale a pena ler a peça sobre o Ministério da Cultura e o actual ministro. O balanço que é feito sobre os titulares do cargo que sucederam a Manuel Maria Carrilho é subjectivo. Corresponde, simplesmente, ao olhar de quem assina o texto.

O mais interessante de "A maldição do Ministério da Cultura" está em três citações de subscritores de um manifesto que está por aí a ser cozinhado. A primeira é de Raquel Henriques da Silva.

A antiga directora do Instituto Português de Museus diz: "não somos a corte de Carrilho, nem temos um ministro na manga". Lendo, na mesma edição, a crónica de Rui Tavares sobre os perigos e as consequências de se tentar afirmar alguma coisa escolhendo a via da negação, parece poder concluir-se que a corte existe mas não quer ser percepcionada como tal ou que, pelo menos, ao negar a sua existência coloca toda a gente a pensar que ela existe porque, caso contrário, não necessitaria de ser negada.

O mesmo se pode dizer sobre Carrilho. Não há ministro na manga ou há mas convém evitar a colagem? Como os subscritores do manifesto querem fazer política, no sentido de influenciar decisões, talvez haja ministro na manga. Se não, porquê avisar logo à partida que não é a isso que vêm?

A respeito da substância dos problemas de que os "agentes" culturais se queixam, aperecem as citações mais certeiras. Uma, de Rui Vieira Nery, que resume, muito bem, o problema da relevância ou irrelevância do Ministério da Cultura e de quem quer que seja o seu titular: "O Ministério não tem dinheiro e essa é a questão central". Primeiro tiro no alvo.

Outra, é de Pedro Abrunhosa e complementa a de Rui Nery. O músico sublinha o facto de o actual Governo ter dotado o Ministério da Cultura com o "mais baixo orçamento de sempre" e pergunta se a solução não passará "pela mudança pura e simples, do primeiro-ministro". É uma apreciação consequente. Se quem define as prioridades e o dinheiro que lhes é atribuído é o primeiro-ministro, o problema essencial pode não estar no Minitério da Cultura mas um pouco mais acima.

Vamos ver se o manifesto, além de reclamar uma fatia mais abundante do Orçamento do Estado, se fica pelo queixume calculista ou se vais mais além.

Etiquetas: ,

“O problema é o graveto”