<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37878389\x26blogName\x3dElevador+da+Bica\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/\x26vt\x3d8544793576954813379', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
elevador da bica

Cassetes de esquerda e de direita

A conversa era sobre a eventual evolução da China para a democracia. Céptico, o meu amigo chinês apontou que as democracias ocidentais se deixaram paralisar pela rigidez das posições da esquerda e da direita. Para ele, a guerrilha surda entre ambas as partes torna o debate público impermeável ao cruzamento útil de ideias e mais longe da resolução dos problemas. Na China não há democracia, mas isso não significa que o autoritário governo chinês não tenha de prestar contas. Afinal, o país tem 1,3 mil milhões de pessoas e a frágil estabilidade social só está garantida enquanto o governo cumprir a sua promessa de prosperidade económica. Sem esse obstáculo da "democracia", continuou o meu amigo, o Executivo adopta políticas da esquerda à direita, preocupando-se não com os rótulos, mas com a eficácia. "Não interessa se o gato é branco ou preto desde que cace ratos", como declarou Deng Xiaoping.

Para a maioria dos europeus - até para os portugueses, que em mais de 860 anos de história contam só com 35 anos de democracia - esta troca de direitos e liberdades individuais por um PIB a crescer e um governo pragmático deixou (até ver) de ser aceitável. Mas tenho recordado várias vezes os argumentos do meu amigo de Pequim: nesta era de austeridade sobe de tom a música das cassetes ideológicas de uma certa esquerda e de outra certa direita. O resultado de um combate político nestes termos é uma democracia mais pobre.
Ler o resto no i

“Cassetes de esquerda e de direita”