<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37878389\x26blogName\x3dElevador+da+Bica\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/\x26vt\x3d8544793576954813379', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
elevador da bica

Indignação abrantina instantânea

Não, meu caro - não. Se tivesse lido o texto - como creio que compete ao desempenho das suas funções (não as de blogger, as outras) - perceberia o alcance do título em causa. Mas eu explico: uma vez que o peso dos benefícios fiscais é maior, em termos relativos, para as pessoas com menores rendimentos (a partir do 3º escalão), a manutenção dos actuais tectos, ao contrário do previsto na proposta inicial de OE, alivia mais em IRS quem ganha menos. É a esse alívio que o título alude. O meu caro, nas suas múltiplas personalidades, anda nervoso. Eu percebo. Deve ser também por isso que lhe escapou a mão no recorte que publicou no seu distinto blogue, expondo inadvertidamente o meu nome - apesar de muito me honrar com a distinção, tenta manchar o meu trabalho. E isso é que não pode ser. Fica o esclarecimento.

“Indignação abrantina instantânea”

  1. Anonymous Anónimo disse:

    O que me confunde é o facto de no sub-título se dizer que "mais de 1.100 agregados afectados e agora menos de 5%". No primeiro caso aparece um número quantificado (1.100) para depois surgir uma percentagem (5%). Suponho que era mais coerente apresentar os números com métodos iguais para não iludir as pessopas.

  2. Anonymous Zuruspa disse:

    É que se metesse novamente o número já entrava na linha abaixo.

    Questäo tipográfica.

    Mas nesse caso dever-se-ia trocar os "1,1" pela percentagem respectiva.

    Mas talvez aí se visse logo a falácia do artigo, sem ter que o ler.

    Porque para ser verdadeiro, o artigo deveria ter o título "ricos um pouco menos ricos que os muito ricos väo poder manter os benefícios fiscais". Sim, porque os que se safaram são aquelas pobres famílias que auferem 9.000€ MENSAIS!!!