<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37878389\x26blogName\x3dElevador+da+Bica\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/\x26vt\x3d8544793576954813379', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
elevador da bica

Contra o rebanho

Divirto-me infinitamente com a "crítica literária" portuguesa. Sobretudo com a crítica de rebanho que não resiste às modas ditadas "lá de fora" ou por um ou dois spin doctors caseiros.

Um exemplo recente foi o embasbacanço com que a generalidade desta gente recebeu o novo romance de Bret Easton Ellis - que teve um único momento de felicidade criativa, há mais de vinte anos ("Psicopata Americano"). Desde então limitou-se a inchar, mas continua a ser celebrado como um "autor".

Perdi a conta ao espaço e ao latim que os jornais portugueses perderam com "Quartos Imperiais", o seu novo livro. Para ir directo ao assunto, é uma bela bosta.

Mas não gastaria um post para escrever isto - quem sou eu para contrariar o entusiasmo do rebanho? Felizmente, na última edição da Intelligent Life, a Clara Ferreira Alves elabora sobre aquilo que eu no parágrafo anterior resumi numa única palavra. Se percebesse alguma coisa de literatura, gostaria de ter escrito isto. Como não percebo, limito-me a reproduzir parte da crítica:

"(...) Nada nos interessa nestas personagens, nem como retrato social. Scott Fitzgerald teria feito maravilhas com este material, Ellis sabe repetir-se. Nunca conseguiu criar uma personagem, a não ser o 'Psicopata Americano', e um escritor não vive num mundo realista sem personagens. 'Glamorama' poderia ter sido uma obra-prima e não passa de um flop pela mesma razão. Esquece-se o parágrafo no parágrafo seguinte. Dito isto, recomendo 'Quartos Imperiais' aos candidatos a ficcionistas. É um manual de tudo o que não se deve fazer. (...)"

Etiquetas: , ,

“Contra o rebanho”