<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37878389\x26blogName\x3dElevador+da+Bica\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/\x26vt\x3d8544793576954813379', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
elevador da bica

Viver para dançar

Ainda esta manhã ouvi na TSF a reposição de uma bela reportagem sobre um grupo de alunos de liceu de Valpaços que pela primeira vez estudaram o Holocausto e foram visitar Auschwitz. O choque, o silêncio e a incredulidade da visita desses 15 miúdos tem o perfeito contraponto neste video, que tem causado polémica desde que foi colocado online. Pode ler-se aqui a história deste sobrevivente do campo da morte que, seis décadas depois, voltou ao lugar do horror, com os quatro netos... para dançar."Um momento histórico", diz o senhor Kohn. Quem sou eu para discordar?

Etiquetas: ,

“Viver para dançar”

  1. Blogger Vìtor Matos disse:

    Não há como rir da morte no lugar onde se devia ter morrido, rir da morte com os descendentes que não deviam existir, não há como rir da morte e dos algozes por se ter sobrevivido, não vejo onde pode estar a polémica deste festejo de vitória sobre um dos piores cataclismos da humanidade sobre si mesma. É uma vitória que só um sobrevivente poderia festejar sem ser blasfemo.