<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37878389\x26blogName\x3dElevador+da+Bica\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/\x26vt\x3d8544793576954813379', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
elevador da bica

"Choque e espanto" na Gulbenkian

Quando se vai assistir a um concerto de jazz vanguardista tem que se estar de espírito aberto e preparado para tudo. Caso contrário, acontece aquilo que se viu no domingo passado, ao serão, no anfiteatro da Gulbenkian. Desiludidos com o que estavam a escutar, talvez imprudentes na escolha do espectáculo a ver durante o ciclo deste ano do "Jazz em Agosto", alguns elementos da audiência abandonaram o recinto quando Evan Parker e o Electro-Acoustic Ensemble ainda iam a meio da sua prestação.

Os motivos para esta decisão são fáceis de entender. No palco, 19 músicos improvisavam sob a coordenação do saxofonista, uma parte deles sentada em frente de computadores com os quais ia manipulando os sons produzidos por quem se ocupava a fazer soar os vários instrumentos reais. Resultado? Um puro "desconcerto" capaz de desafiar mesmo os tímpanos menos amarrados a formalismos.

Quem resistiu, e até foram a esmagadora maioria, foi bombardeado com os sons mais inesperados que se podem arrancar a um trompete ou a um saxofone barítono, ainda antes de passarem pelas mãos dos homens da electrónica que os devoravam e devolviam devidamente alterados e irreconhecíveis. Esta espiral de desconstrução durou cerca de uma hora. Por mim, teve graça, mas, depois desta operação "choque e espanto", sabe bem regressar a terrenos um pouco menos vertiginosos. É o que espero de Louis Sclavis, na próxima sexta-feira.

Etiquetas: , ,

“"Choque e espanto" na Gulbenkian”