<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37878389\x26blogName\x3dElevador+da+Bica\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/\x26vt\x3d8544793576954813379', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
elevador da bica

As dúvidas

No ramo da Justiça, onde há dúvidas não há condenações.

No ramo do jornalismo, onde há dúvidas há notícias. Como esta do Público e esta do Diário de Notícias sobre a investigação do caso Freeport.

Discordo do coro pelo pedido de desculpas, com uma corda à volta do pescoço, dos jornalistas que escreveram sobre o Freeport. Fez-se mau jornalismo? Sim, em alguns casos indesculpáveis. No essencial e em abstracto, porém, era obrigatório aos jornalistas investigarem, inquirirem, quererem saber mais sobre o facto de o PM estar ou não envolvido no caso, uma vez que a coisa metia familiares, gente próxima e vídeos de pessoas a dizer que ele tinha recebido dinheiro. Verdade ou mentira? Notícia. Impossível fugir a isto. Estamos no domínio do jornalismo, não dos tribunais e às vezes confundem-se os planos.

Agora, os buracos da investigação são um novo filão noticioso. E bem. Se a investigação foi mal conduzida, se teve falhas, se houve cálculo político, se houve incompetência, tudo é escrutinável. E a Justiça, com todas as dúvidas que nos deixa, deve estar sob um escrutínio tão atento da opinião pública quanto o resto dos poderes.

“As dúvidas”