<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37878389\x26blogName\x3dElevador+da+Bica\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/\x26vt\x3d8544793576954813379', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
elevador da bica

Pequeno apontamento social

Chiado, dia livre para compras de Natal. Na rua Garrett uma manifestação da CGTP faz barulho ("natal solidário só com mais salário") e entrega os folhetos do costume: os lucros da banca, a "precariedade", os aumentos reais em 2010, etc. Num dos lados do folheto domina a imagem de um Zé Povinho a aguentar o tecto da República, enquanto Constâncio ("os bancos") e Francisco Van Zeller ("os patrões") observam o esforço sob esse mesmo tecto, de perna cruzada, e pedem mais lucros e sacrifícios. Um mimo de propaganda.

Uns metros mais abaixo, na mesma rua Garrett, quem haveria de estar: Francisco Van Zeller. Saquinho da FNAC na mão, a olhar ora para o topo da rua, ora para o relógio, com ar apressado. Fiquei com a impressão – a vantagem de ter um blogue é esta, um gajo pode ventilar impressões sem ter de confirmar – que o líder da CIP (que anda em guerra acesa com os sindicatos por causa do salário mínimo) estava à espera que a manif se evaporasse para poder levantar tranquilamente o carro no parque Camões. É a conflitualidade social à portuguesa, suponho.

“Pequeno apontamento social”