<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37878389\x26blogName\x3dElevador+da+Bica\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/\x26vt\x3d8544793576954813379', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
elevador da bica

Dubai: o fim da euforia na economia que nada produz


Em reportagem no Dubai, em Novembro de 2007, visitei um estaleiro de construção de 40 torres com mais de 30 andares, destinados a apartamentos, a escritórios e a lojas. Estava tudo a ser construído ao mesmo tempo, à velocidade da luz. O engenheiro responsável pela obra explicou-me que aquilo não era nada: uma vez tinham-lhe pedido para fazer uma torre em forma de livro deitado, toda ela giratória (projecto em que ainda pensou, mas recusou por motivos técnicos). Essa seria mais uma extravagância a somar às ilhas artificiais em forma de palmeira (o meio que o pequeno Emirato arranjou para multiplicar a terra comercializável), aos maiores centros comerciais do planeta, à torre mais alta do mundo e ao hotel mais caro (etc. etc.).


Nada disto, está claro, podia resultar. Simplificando até ao limite, o Dubai é uma economia de serviços – o petróleo pesa 4% no Orçamento, ao contrário do que se passa no realmente rico Abu Dhabi – que não produz (nem inova) quase nada. Tem uma população local pouco preparada e estragada por dinheiro fácil e rápido – afinal, há apenas algumas décadas eram nómadas e pescadores – que paga bem pelo conhecimento dos estrangeiros (e explora a mão-de-obra barata da Índia, Paquistão e Bangladesh). Por outro, acumulou uma dívida enorme para financiar, lá está, uma economia de imobiliário, consumo e turismo. Depois da Islândia, era uma questão de tempo até a crise financeira asfixiar o Dubai, que fica agora nas mãos dos poderes vizinhos (que deixaram cair o Emirato), esses sim com petróleo, gás e dinheiro.


Portugal é uma economia com grandes diferenças face ao Dubai, mas a situação serve de exemplo. O peso dos serviços na economia do shopping center portuguesa é de 70%; desta fatia, uma percentagem mínima (cerca de 5%) é exportável, o resto é motor de consumo interno (e importações e endividamento). Portugal tem também uma dívida cada vez maior (a total, directa e indirecta, já deverá exceder 120% do PIB). A grande vantagem? Portugal pertence ao clube da zona euro, que exige a consolidação orçamental criticada por muitos, mas que não deixa cair um dos seus membros em incumprimento – uma garantia que, como tudo na vida, terá seguramente um limite e um prazo de validade.

“Dubai: o fim da euforia na economia que nada produz”