<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37878389\x26blogName\x3dElevador+da+Bica\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/\x26vt\x3d8544793576954813379', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
elevador da bica

Os loucos da casa

Sem cagança, gostei do Home, da realizadora suíça Ursula Meier. Primeiro, porque é um filme para actores – actores óptimos (Isabelle Hupert é cabeça de cartaz, mas não reina sozinha). Depois, porque mistura surrealismo com a mais plana realidade – tudo com imagens inesquecíveis, principalmente no primeiro terço do filme. Por fim, porque faz pensar (uma actividade cansativa, ainda para mais em Agosto, mas recompensadora). Uma sinopse em poucas palavras: uma família muito unida faz de um troço inacabado de autoestrada parte integrante do seu espaço privado, da sua casa. Com a abertura da estrada e a passagem de milhares de carros e camiões assistimos à invasão deste espaço privado pelo público. Como reage a família a esta mudança? Há negação, loucura et beaucoup d'amour. O filme não aguenta o ritmo até ao fim, mas aguenta-se sempre em bom nível. Vejam e depois contem.

“Os loucos da casa”