<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37878389\x26blogName\x3dElevador+da+Bica\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/\x26vt\x3d8544793576954813379', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
elevador da bica

O Ministério da Saúde saiu do armário

O Ministério da Saúde afirmou publicamente a sua política que proíbe os homens homossexuais de serem dadores de sangue. O presidente do Instituto Português de Sangue explicou à TSF a razão – vale a pena ouvir: "são homossexuais está feita a avaliação [do risco]" – desta política, de resto comum (e polémica) noutros países, como os Estados Unidos.

Os que defendem a medida apontam o risco de prevalência do HIV em homens homossexuais: diz a Cruz Vermelha Americana que é 60 vezes maior do que na população geral e 800 vezes maior do que nos dadores de sangue pela primeira vez. A homossexualidade masculina é encarada como um comportamento de risco e, como tal, posta na lista negra (onde entre muitos outros estão heterossexuais com comportamentos de risco, por exemplo).

O argumento científico poderá ter a sua validade – confesso que não sei o suficiente para avaliar – mas o ponto, no entanto, é outro: numa altura em que os testes ao sangue e ao HIV são cada vez mais rápidos e precisos, não valeria a pena fazer a avaliação do risco do comportamento de um homossexual em vez de o excluir logo à partida?

“O Ministério da Saúde saiu do armário”