<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37878389\x26blogName\x3dElevador+da+Bica\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/\x26vt\x3d8544793576954813379', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
elevador da bica

No Xinjiang, mais um aviso à navegação chinesa

A China está a perceber – uma vez mais – o preço que tem de pagar pela sua política de integração à bruta de algumas regiões.

No Tibete a dor de cabeça para Pequim é a imagem imaculada do Dalai Lama e o efeito que tem nas almas sensíveis e bem intencionadas do Ocidente. No Xinjiang não há líderes santos nem lamas, mas há oito milhões de pessoas de origem turca e religião muçulmana – e há ainda uma vizinhança perigosa com Paquistão e outros países terminados em ÃO, cujos grupos extremistas já devem estar a pensar num reforço da internacionalização para a China.

A integridade territorial chinesa é o valor mais alto da política de Pequim – nos primórdios do comunismo na China, como não havia indústria (nem proletariado) Mao jogou no nacionalismo contra o invasor estrangeiro. Com a abertura ao exterior houve ideias que o PC chinês abandonou – esta não é uma delas.

Não estando disposta a abdicar do Xinjiang ou do Tibete por razões estratégicas (basta olhar para o mapa para perceber) resta à China um caminho: seguir uma política de integração com um respeito básico pela cultura, religião e bolso das minorias. Obviamente, tal não tem acontecido – e qualquer sociedade tem um ponto de ruptura.

“No Xinjiang, mais um aviso à navegação chinesa”