<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37878389\x26blogName\x3dElevador+da+Bica\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/\x26vt\x3d8544793576954813379', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
elevador da bica

Música de Elevador

Sometimes I Wish We Were An Eagle
Bill Callahan
Abril 2009 :: Drag City

Bill Callahan, também conhecido pelo seu alter ego Smog, canta no tema de abertura do novo álbum: "I was darker, then I got lighter, then I got darker again". Eu não sei se esta frase é suficiente para resumir o trajecto da sua carreira de duas décadas, mas o que é certo é que a sua mágica voz de barítono é a varinha de condão ideal para cozinhar canções num registo mais "dark". Seja então bem-vindo de volta… Eu, como uma grande parte dos portugueses, cortejo a melancolia; estou sempre a pensar na música perfeita para levar comigo naquele passeio à beira-mar, sozinho, com o vento a fazer vibrar os trapos quentes que embrulham o meu corpo. "Sometimes I Wish We Were An Eagle", para além de ser um título que lembra grandes espaços e inspira uma intensa sensação de liberdade, é um desses álbuns suficientemente belos para se sobrepor ao lento embalar salgado do oceano. A música de Callahan é simples e sofisticada; os seus arranjos de guitarra parecem canções de embalar, mas por cima dessa caminha de sons surge sempre uma paleta de texturas orquestrais tão ricas quanto a sua voz e a qualidade da sua escrita. Contraste é conceito chave neste disco; mas nunca contraste selvagem ou provocador. Ao contrário, este disco é como aquelas imagens sobrepostas, de dupla exposição, que se conjugam para formar um todo mais belo, mais coeso, mais sereno.

Etiquetas:

“Música de Elevador”

  1. Blogger João Cândido da Silva disse:

    Já ouvi, já tenho um exemplar em meu poder e também gosto muito :)