<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37878389\x26blogName\x3dElevador+da+Bica\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/\x26vt\x3d8544793576954813379', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
elevador da bica

O que quiser dar...

Na próxima sexta-feira, o maior site de acesso a conteúdos multimédia "ilegais" vai conhecer o veredicto do julgamento de que é alvo. Seja qual for o resultado da justiça Sueca, penso que o mais importante é o debate que tem sido gerado à volta do tema e a forma como a indústria e, em especial, os artistas olham para o panorama actual da venda de música. Actualmente, 95% da música que é descarregada da internet é feita de forma ilegal. Já toda a gente percebeu que não vale a pena fechar os olhos a esta realidade, nem tentar fechar sites como o Napster porque no dia seguinte abrem-se outras portas com a mesma finalidade. A indústria, como sempre, avessa a mudanças, tarda em reagir. Sites como o iTunes ou a Amazon continuam a ganhar dinheiro com o acesso a downloads pagos mas, na minha opinião, esse modelo está condenado ao insucesso. Os artistas, por outro lado, sempre abertos à mudança, ao improviso e elasticidade, em suma, ao acto da criação, já começaram a mudar e a arranjar maneiras de vender aos seus fãs algo mais do que um simples ficheiro musical que pode ser descarregado à borla ali ao lado... E penso que muito passará pela forma como a música será apresentada, pelo packaging que a suporta, pelos extras e pelo acesso a conteúdo exclusivo. Casos de sucesso a seguir esta política já existem. Os Radiohead lançaram o seu último álbum na net com a seguinte frase: "It’s Up To You. No Really, It’s Up To You". Cabia aos fãs decidir o que pagar. E o que ofereciam eram ficheiros a 320kbps livres de direitos. O resultado foi a maior venda de sempre de um álbum de Radiohead, tendo a cópia física de "In Rainbows" que foi colocada no mercado posteriormente superado os 1,75 milhões de vendas. Os Coldplay lançaram o primeiro single do seu novo álbum em exclusivo na net uma semana antes da estreia do disco nas prateleiras das lojas. O resultado? "Violet Hill" foi o primeiro single da banda a entrar directamente para o número 1 do top britânico. Mas os verdadeiros “trailblazers” são os Nine Inch Nails. A sua proximidade com os fãs é inigualável. Desde deixar pens USB com conteúdos exclusivos nos WCs dos seus concertos a criar sites de acesso secreto só para fãs, o álbum mais recente da banda foi distribuído numa grande variedade de formatos. Entre as escolhas estavam: download gratuito das primeiras 9 faixas, o álbum inteiro por 5 dólares (36 faixas) ou uma edição de luxo assinada e limitada a 2500 cópias a 300 dólares a peça. O resultado? A edição de luxo esgotou em menos de dois dias e o álbum angariou qualquer coisa como 1,6 milhões de dólares nas primeiras semanas de venda. Dá que pensar, não dá?

Etiquetas: , ,

“O que quiser dar...”

  1. Anonymous Anónimo disse:

    Afonso, perdi o teu mail. não é para nada, mas pede lá ao vitor para to dar. nuno magalhães