<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37878389\x26blogName\x3dElevador+da+Bica\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://elevadordabica.blogspot.com/\x26vt\x3d8544793576954813379', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
elevador da bica

Deolinda e o hino da "geração adiada"



Todas as gerações precisam de um hino - e a geração mais qualificada e entalada de Portugal arranjou um: "Parva que sou", dos Deolinda. Para quem (como eu) não foi aos concertos vale a pena ver na internet: cada linha irónica da vocalista Ana Bacalhau é abafada por palmas e gritos. No final, toda a plateia dominada por jovens, em Lisboa e no Porto, levanta-se num estrondoso aplauso. Os Deolinda tinham acabado de tocar num nervo.

A música alastrou pela internet como fogo num palheiro. As reacções dos "jovens" são de exaltação com o facto de alguém finalmente conseguir articular numa canção tudo o que lhes acontece na vida: os contratos de trabalho miseráveis ("Porque isto está mal e vai continuar/Já é uma sorte eu poder estagiar"), o contraste entre expectativas e realidade ("Que mundo tão parvo/Onde para ser escravo é preciso estudar") e a anestesia mimada ("Sou da geração ''casinha dos pais''/Se já tenho tudo, p''ra quê querer mais?"). Está lá quase tudo. Os Deolinda cantam sobre problemas reais de mais de um milhão de jovens com menos de 34 anos, entre trabalhadores a prazo, desempregados e inactivos.

Mas também os mais velhos ouvem e, na internet, logo surgiram as reacções típicas. À esquerda, entre elogios ao "grito da geração adiada" e apelos à revolta dos jovens, o cronista Daniel Oliveira escreveu na edição online do "Expresso": "A tese continuará a ser a mesma: a desgraça desta geração resulta dos "privilégios" dos mais velhos [...] Convenientemente, a desgraça da geração 500 euros é haver quem ainda não tenha as suas vidas a prazo." Já José Manuel Fernandes (ex-director do "Público") pediu no blogue Blasfémias um levantamento geral ("Levantem-se oh vítimas"), mas em sentido contrário ("dos direitos adquiridos!"). E explica, numa posição clássica da direita: "A nova canção dos Deolinda pode tornar-se no hino das gerações excluídas pelo Portugal dos ''direitos adquiridos'' e ''empregos para a vida'' [...] dos que se limitam a estar sentados sobre os seus empregos." Ambos os lados ignoram aspectos importantes.

A esquerda olha para o problema sempre do ângulo da igualdade/desigualdade e esquece-se do outro: os mais velhos, clientela política, pesam mais nas decisões de qualquer governo do que os jovens que, além de serem cada vez menos, fazem questão de se abster nas eleições. É por isto - e porque os eleitores são melhores pais do que eleitores - que existe um problema de justiça intergeracional: uma lei laboral que protege de tal forma o emprego individual permanente que contribui para que a flexibilização selvagem seja feita sobre quem entra no mercado; uma lógica de protecção social feita para o mercado de trabalho de há 30 anos e ignora os jovens precários; um Estado social que, com pezinhos de lã, se prepara para despejar a factura das pensões de reforma nestes mesmos jovens. A lista é longa.

A direita reconhece o fosso geracional - pelo menos enquanto está fora do governo - mas erra ao copiar cegamente dos manuais de economia e de gestão o ideal de flexibilidade total. Os bloqueios geracionais agravam a situação dos jovens, mas há mais além disso. Há um capitalismo eticamente pobre e pouco fiscalizado. Há uma filosofia crescente centrada no trabalho temporário, que agrava o fosso salarial entre o topo e a base. Há um paradigma de "reengenharia" permanente, que impõe às pessoas uma vontade contínua de mudança, com impacto forte no seu tempo e na sua narrativa de vida - é um choque que os jovens, mesmo com bons empregos, bem conhecem. A direita parece ignorar tudo isto.

Mas há um ponto em que ambos os lados erram em simultâneo: a educação e as expectativas. Nos anos 90, pais que nunca tiveram oportunidades sonharam ter filhos doutores e os governos fizeram a vontade: milhares pagaram em tempo e dinheiro cursos sem empregabilidade, numa lógica de ensino baseada na auto--estima. Pagaram para, no final, acabarem semi-escravizados por um mercado de trabalho sem ética, orientado para os interesses da maioria estabelecida. Falar de "jovens" significa abarcar tudo isto: e é mais simples fazê-lo a cantar do que no debate político.

“Deolinda e o hino da "geração adiada"”

  1. Anonymous Anónimo disse:

    Um dos autores do estudo sobre oportunidades de corrupção encomendado pela troika considera que a Assembleia da República não tem idoneidade para fiscalizar a execução das reformas de ajuda externa e sugere a contratação de um equipa internacional.

    Em declarações ao DN, Paulo Morais justifica a acusação com os conflitos de interesses por parte dos deputados que acumulam funções no Parlamento "com lugares de administração ou consultoria de empresas que têm negócios com o Estado".

    O relatório da organização Transparência e Integridade (TI), a que o DN teve acesso, aponta para a renegociação das Parcerias Público-Privadas, o pacote de privatizações e a reestruturação das Forças Armadas como oportunidades para actos de corrupção.

    A DGERT tem por missão apoiar a concepção das políticas relativas ao emprego e formação profissional e às relações profissionais, incluindo as condições de trabalho e de segurança saúde e bem-estar no trabalho, cabendo-lhe ainda o acompanhamento e fomento da contratação colectiva e da prevenção de conflitos colectivos de trabalho e promover a acreditação das entidades formadoras.
    Tudo uma grande mentira, as provas são dadas com o despedimento colectivo de 112 pessoas do CASINO ESTORIL
    “Para Os Trabalhadores da empresa casino estoril no final se fará justiça, reconhecendo a insustentabilidade de um despedimento Colectivo oportunista promovido por uma empresa que, para além do incumprimento de diversas disposições legais, apresenta elevados lucros e que declara querer substituir os trabalhadores que despede por outros contratados em regime de outsoursing”.

  2. Blogger Margarida Rodrigues disse:

    Aprecio muito o seu blog. Todos os dias tenho visitado o mesmo e delicio-me com os seus posts. Espero que continue com o bom trabalho.

    Cumprimentos

    Margarida Fonseca Dias

    www.europeanemaildatabases.com